Você precisa saber usar o trava-quedas para trabalho em altura!

Qualquer tipo de atividade realizada em uma empresa precisa de atenção e cuidados de todos os colaboradores. Mas, quando se trata de trabalho em altura, toda precaução é pouca para que os acidentes sejam evitados. Eis a importância do dispositivo trava-quedas.

Assim, é importante que o empregador invista em equipamentos de segurança de qualidade, principalmente quando se tratar de equipamento de proteção individual (EPI). Além disso, é indispensável que mostre a toda equipe a necessidade de usá-los de forma adequada.

Por isso, um dos dispositivos de segurança que deve estar presente no dia a dia daqueles que trabalham em altura é o trava-quedas. Quer saber um pouco mais sobre esse equipamento de proteção contra quedas? Então, leia este post até o fim e fique bem informado.

Saiba o que é o trava-quedas para trabalho em altura

Trabalho em altura é aquele que precisa ser executado acima de dois metros do solo, oferecendo um maior risco de queda para o funcionário. Por isso, a necessidade de pensar no bem-estar e na segurança do trabalhador é ainda maior.

Assim, para quem realiza esse tipo de trabalho, o trava-quedas é um equipamento de segurança individual indispensável. O equipamento faz a conexão do cinto de segurança do trabalhador a um ponto de ancoragem seguro e capaz de suportar a carga de uma eventual queda.

Esse dispositivo mecânico retém uma eventual queda do trabalhador enquanto estiver realizando suas atividades em altura., Nenhuma atividade em condição de altura pode ser realizada sem o emprego de segurança dessa natureza.

É importante ressaltar que a função do equipamento independe da ação daquele que o utiliza. Outro detalhe de relevância é que, sempre que ele for oferecido pelo empregador, será considerado um item de uso obrigatório enquanto o colaborador realizar atividade em altura.

Conheça a diferença entre trava-quedas e talabarte

Tanto o trava-quedas como o talabarte são considerados dispositivos de segurança de grande utilização importância na realização de trabalho em altura. Os dois equipamentos, em circunstâncias diferentes, evitam a queda do trabalhador e o consequente impacto na colisão com o solo.

É importante ressaltar que desde 2015, por decisão do Ministério do Trabalho, esses dois dispositivos não são mais considerados EPIs. Por essa razão, não podem receber um Certificado de Aprovação (CA).

Na verdade, por serem acessórios do cinto de segurança (este sim, um EPI), não podem ser utilizados desvinculados deste. Sua aquisição também deve levar em conta a exigência de que sejam do mesmo fabricante do cinto de segurança para garantia de uma perfeita conexão.

Trava-quedas e talabarte são equipamentos que estão disponíveis em vários modelos, cada um mais adequado a determinada condição ou atividade. Suas respectivas aplicações se dão em situações diferenciadas, como você verá a seguir.

Existe um conceito em segurança do trabalho importante na diferenciação desses dois equipamentos: a chamada linha de vida. Trata-se de um cabo (pode ser uma corda, cinta ou fita) ao qual o trabalhador algumas vezes se conecta para realizar o trabalho em altura.

A linha de vida pode ser horizontal, como nos casos de trabalho à beira de lajes, por exemplo, ou vertical, quando o operador permanece pendurado. Nos dois casos, o exercício da atividade depende daquela conexão com o cabo.

O dispositivo trava-quedas é empregado nas situações em que existe uma linha de vida na atividade que está sendo desenvolvida. Ele faz a conexão entre o cinto de segurança e o cabo, a fim de amortecer, com um curto percurso, uma ocorrência de queda do trabalhador.

Por sua vez, o talabarte é comumente utilizado nas operações em que não se faz uso de uma linha de vida. Sua forma de contenção em caso de queda permite um pequeno deslocamento, maior que no caso do trava-quedas.

Pelo exposto, percebe-se que o talabarte tem a função de permitir que o trabalhador se desloque com segurança de um lado para outro. Por sua vez, o dispositivo trava-quedas objetiva impedir a queda do colaborador por meio do travamento do cinto de segurança.

Conheça os tipos de trava-quedas para trabalhos em altura

Você encontrará no mercado vários tipos de trava-quedas. Ele pode ser encontrado com sistema retrátil em cabo de aço galvanizado, inox ou corda sintética ou deslizantes para uso em linhas de vida em corda ou cabo de aço. Assim, a escolha do equipamento correto dependerá da atividade que será desempenhada. Confira a seguir algumas especificações sobre cada um dos referidos tipos:

Modelo retrátil

Ideal para trabalhos realizados em lugares com exigência de movimentação do trabalhador, uma vez que permite que o usuário se movimente em várias direções, por exemplo. Eles são recomendados para tarefas como conferência e arrumação de cargas em caminhões ou vagões, assim como na manutenção de máquinas e equipamentos.

Modelo para corda

Para esse tipo de trava-quedas, é muito importante atentar ao tamanho da corda, a fim de evitar acidentes. O modelo para cordas pode ser utilizado em lugares abertos ou fechados. Ele pode ser empregado, por exemplo, em movimentação vertical, acesso em espaço confinado e trabalhos em altura nos planos inclinados.

Modelo para cabo de aço

Esse modelo de trava-quedas deve ser utilizado em sistema de proteção contra quedas composto em linhas verticais de cabo de aço galvanizado ou inox. Pode ser empregado, por exemplo, em movimentação vertical nas escadas tipo marinheiro tanto internas quanto externas, em fábricas, navios e obras, entre outros.

Aprenda a usar o trava-quedas

Para que o trava-quedas exerça a sua função de garantir segurança ao trabalhador e proteja sua vida, é preciso que seja feito o uso correto do equipamento. Afinal, de nada adianta fornecê-lo ao funcionário se não instruí-lo de maneira eficaz.

Com a finalidade de ajudar você, vamos mostrar a seguir a forma correta de usar o equipamento. Siga o passo a passo para melhor compreensão.

Conecte o dispositivo no cinturão

Antes de tudo, é necessário verificar se a espessura da corda ou do cabo de aço será suficiente para suportar o peso do trabalhador no caso de uma queda. Leve em conta que cada passo deve ser antecedido por uma avaliação do material e das condições em que será aplicado.

Certificada essa parte, é preciso conectar, de maneira correta e segura, o trava-quedas no cinturão. Lembre-se de fazer isso enquanto o funcionário ainda estiver no chão ou piso inferior.

Verifique o funcionamento do equipamento

Ao usar o trava-quedas, é de grande importância que você o faça conforme especificado pelo manual do fabricante. Leia-o atentamente antes de iniciar qualquer procedimento.

Conecte corretamente o dispositivo

Você deve ficar atento à posição correta da conexão na linha de vida (corda ou cabo de aço) ou no ponto de ancoragem devidamente definido. Para que não haja dúvidas, o próprio equipamento indica qual é a maneira certa de conectá-lo.

Não desconsidere essa orientação: não seguir as instruções, comprometerá o funcionamento correto do dispositivo de segurança.

Verifique se está devidamente travado

É preciso tomar alguns cuidados nessa etapa, pois, ao encaixar a corda, você deve verificar se o aparelho ficou fechado da maneira correta. Caso contrário, o trabalhador estará sujeito ao risco de o equipamento de proteção individual não funcionar de forma eficaz, caso ocorra uma queda.

Acione a trava, caso necessário

Para ter a certeza de que o equipamento funcionará de maneira adequada, lembre-se de acionar a trava de segurança nos trava-quedas que possuem este mecanismo.

Faça um teste antes de usar o trava-quedas

Antes do efetivo uso do dispositivo, é recomendável que o empregado faça uma simulação para verificar se o equipamento funcionaria caso ocorresse uma possível queda.

Se perceber uma falha, veja o que a ocasionou. Caso o colaborador esteja inseguro, é importante que solicite a ajuda de um técnico para verificar a causa do problema. Se não observou nenhuma eventualidade ao realizar o teste, é sinal de que o trava-quedas está seguro para a realização das tarefas.

Cuide bem do dispositivo trava-quedas

O trava-quedas é um dispositivo individual e necessita de cuidados de higienização para sua adequada conservação. Do mesmo modo, deve ser permanentemente verificada a necessidade de alguma manutenção do equipamento quando não estiver em uso. Afinal, isso não pode ser descoberto no momento do uso, não é mesmo?

A manutenção do dispositivo deve ser realizada uma ou mais vezes por ano e sempre que houver demanda. Leve em conta, ainda, o prazo de validade do equipamento.

Por seu turno, uma higienização realizada semanalmente, além de manter o equipamento limpo, evita a ocorrência de desgastes e oxidação. O procedimento de limpeza pode ser assim resumido:

  • usar um pano úmido com um pouco de sabão para partes metálicas;
  • enxaguar o pano e passe-o ainda úmido para remover o sabão;
  • seque o dispositivo com um pano seco;
  • nas partes têxteis do equipamento, lavar com água e sabão;
  • secar à sombra.

Saiba da importância dos itens de segurança em altura

O trabalho em altura precisa ser abordado com uma atenção diferenciada, principalmente em razão dos elevados riscos envolvidos com atividades nessas condições. A ocorrência de um acidente sem a adoção dos devidos cuidados de proteção pode trazer consequências graves e até fatais.

Itens de segurança sempre são indispensáveis e sua utilização adequada não pode ser descuidada. Por esse motivo, em especial na atividade em altura, a própria regulamentação normativa confere tratamento ainda mais ampliado aos cuidados que precisam ser adotados.

Nesse sentido, outro aspecto de importância na utilização de itens de segurança para o trabalho em altura está no adequado cumprimento das normas que regulam o assunto. Os custos resultantes de uma abordagem fiscalizadora flagrando o descumprimento daquelas previsões podem ser muito elevados.

Por sua vez, a responsabilidade assumida com a segurança do pessoal que opera em altura é essencial na construção de uma cultura preventiva no ambiente laboral. Tanto os equipamentos utilizados como a própria atividade chamam a atenção de outros colaboradores, provocando a visualização dos cuidados adotados e fortalecendo a ideia de prevenção.

De modo geral, devem ser considerados os seguintes equipamentos para a segurança do trabalho em altura, entre outros:

  • ancoragem;
  • cabos e cordas (linha de vida);
  • cinto de segurança;
  • trava-quedas;
  • talabartes;
  • escada;
  • polias;
  • conectores;
  • capacete;
  • óculos de segurança;
  • luvas;
  • calçado de segurança.

Equipamentos de segurança em geral, mas particularmente o dispositivo trava-quedas devem ser utilizados em treinamentos constantes em pequenas alturas seguras. É indispensável a experiência do trabalhador com o uso do equipamento, não apenas na sua instalação, mas sentindo de fato como opera.

Observe a certificação do item e compre-o de um fornecedor bem conceituado

Quando a empresa vai adquirir um equipamento de proteção individual, ela não deve levar em conta apenas o valor a ser desembolsado (o preço do produto). O excesso de economia, sem olhar a qualidade, não é compatível com um ambiente laboral seguro.

Nesse sentido, a atenção deve ser redobrada ao comprar um trava-quedas. Assim, é indispensável observar se o fabricante obedeceu àquilo que prescreve a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e o INMETRO, pois é o que indicará se o produto oferece a qualidade necessária.

Além disso, como se viu, o trava-quedas deve estar associado ao cinto de segurança produzido pelo mesmo fabricante. Assim, juntamente com a documentação técnica do dispositivo, considere a origem e, preferencialmente, faça a aquisição conjunta de cinto e trava-quedas.

Embora o trava-quedas não possua CA, todo produto considerado EPI deve estar com seu respectivo CA atualizado e vigente. Verificar essa condição é indispensável nos momentos de aquisição de equipamentos de segurança e o pessoal responsável pelas compras da empresa deve estar ciente desses detalhes.

Assim, ao adquirir o cinto de segurança e o trava-quedas necessário, é importante fazer essa verificação. A certificação do Ministério do Trabalho, da ABNT, do INMETRO e demais órgãos certificadores deve ser levada a sério pois são a garantia da segurança necessária na fabricação dos equipamentos de segurança.

Finalmente, considere avaliar com cuidado o fornecedor dos equipamentos de segurança para a empresa. Veja mais detalhes a seguir.

Escolha o fornecedor adequado para seus itens de segurança

Um ponto de extrema importância é a escolha correta da empresa que fornecerá o equipamento para fins de segurança do trabalho. Dessa forma, diversos aspectos da empresa que comercializa os itens necessários devem ser avaliados.

É preciso, antes de tudo, que seja uma empresa com credibilidade no mercado. Isso significa que se trata de um fornecedor que conquistou a confiança dos usuários por razões diversas como, por exemplo, pela qualidade dos produtos fornecidos.

Além disso, observe a experiência desse fornecedor e por quanto tempo vem operando no setor de EPI e demais equipamentos de segurança. Verifique se todo o tempo vem comercializando apenas produtos que tenham passado por um rígido controle de qualidade.

Com essas ações, você dará o primeiro passo para garantir a segurança, o conforto e o bem-estar dos funcionários da sua empresa.

Como visto, o dispositivo trava-quedas é um equipamento de proteção indispensável para os colaboradores que executam trabalho em altura. Por isso, é importante seguir as instruções do fabricante e as nossas dicas, que ajudarão a proporcionar um ambiente seguro a seus empregados.